Cotação
Dólar
Euro
31/12 20:00
Cuiabá
Carregando...

? ºC

/

Cuiabá (MT), 23 de outubro de 2017 - 08:59

COMANDO DE ESTADO

20/09/2017 20:12

Cel Helbert Figueiró de Lourdes MG

Curriculum

O Coronel Helbert Figueiró de Lourdes é o Comandante-Geral da Polícia Militar de Minas Gerais desde 20 de janeiro de 2017.

Nascido em 17/03/1970, ingressou na Instituição no ano de 1988, como aluno do Curso de Formação de Oficiais realizado na Academia de Polícia Militar.

É Bacharel em Ciências Militares (CFO) pela Academia de Polícia Militar; Bacharel em Direito pela Faculdade FUMEC; Especialista em Segurança Pública pela Fundação João Pinheiro; e Especialista em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela Fundação João Pinheiro.

Serviu nas seguintes Unidades:

14º Batalhão – Ipatinga

5º Batalhão – Belo Horizonte

Batalhão de Polícia de Guarda – Belo Horizonte

16º Batalhão – Belo Horizonte

Batalhão de Polícia de Trânsito – Belo Horizonte

Assessoria de Relação Institucionais – Assistente Militar

1º Batalhão – Belo Horizonte

Academia de Polícia Militar

Gabinete Militar do Governador

Funções exercidas como oficial superior:

- Subcomandante da Escola de Formação de Soldados.

- Comandante da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos.

- Comandante da Escola de Formação de Oficiais.

- Comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar, sediado em Belo Horizonte.

- Chefe do Gabinete Militar do Governador e Coordenador Estadual de Defesa Civil.

- É Diretor Regional Sudeste no Conselho Nacional de Comandantes-Gerais das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares do Brasil (CNCG), na gestão 2017-2018.

Principais Condecorações:

- Medalha de Honra da Inconfidência

- Medalha Presidente Juscelino Kubitschek

- Medalha Alferes Tiradentes

- Medalha da Ordem do Mérito Dom Pedro II

- Medalha de Mérito de Defesa Civil

- Medalha do Mérito Judiciário Militar

- Medalha de Mérito da Defensoria pública de Minas Gerais

- Medalha de Mérito Profissional

- Medalha de Mérito Militar Grau Prata

- Medalha de Mérito Militar Grau Bronze

- Medalha Coronel Otávio Campos do Amaral

- Medalha Coronel Fulgêncio

- Medalha Ten Cel João Batista de Assis

DISCURSO DE POSSE DO COMANDANTE-GERAL EM 30Jan2017

SENHORAS E SENHORES, BOM DIA!!!

Esta seguramente é a data mais marcante de minha vida profissional. Ao fixar-me à retaguarda distante do tempo, meu olhar retroage à senda mais viva de minha juventude, ocasião da minha escolha profissional, quando então resolvi servir nas fileiras da Corporação do Alferes Tiradentes. "Os anos correram no tempo", e ao passar em revista a toda minha carreira, percebo que a profissão rendeu-me um enorme aprendizado. Aprendi com os meus comandantes, pares e subordinados, lições de profissionalismo, companheirismo e camaradagem. Então, neste momento em que sou elevado ao Comando Geral da Corporação, destaco por imperativo de justiça e de honra no dever funcional, outra admirável lição que recebi nestes longos anos de jornada policial militar: aprendi, em justa medida, a grandeza e importância histórica de nossa Corporação, não apenas como garantidora de direitos, da lei e da ordem em Minas Gerais, mas como uma das instituições centrais da República, na defesa da democracia, e, em seu limite, na defesa do nosso povo e da nossa pátria.

 

Hoje é, portanto, um momento marcante e de profunda turbação nos meus sentimentos, pois minha consciência e meu coração são compelidos a honrar esta história, e a me investir como o titular representante dos companheiros de variados postos e graduações, dos companheiros da reserva, das nossas pensionistas, dos professores de nosso Colégio Tiradentes, funcionários civis e profissionais contratados, num fiel compromisso de corresponder a uma imensa expectativa representada por quase 100 mil mulheres e homens.

Por isso, tenho plena lucidez sobre a vastidão da incumbência e responsabilidade a mim confiada pelo Exmo Governador do Estado, e por nosso Criador, convicto que sou, como escrito em romanos XIII, que toda autoridade é constituída por Deus. Mas sei também, e isso me conforta e acalenta, que essa Corporação está engajada, coesa e voltada para a mesma missão, como sempre esteve em toda sua história.

Assim, dirijo-me em primeira ordem, aos meus dignos comandados. Nós, temos o compromisso de manter sólida e respeitada essa nossa instituição de quase 242 anos de existência. Lembremos pois, antes de tudo, do juramento que todos fizemos, espontaneamente, no primeiro curso de formação, algumas vezes renovado. É um compromisso solene e inquietante o bastante para repensarmos o exercício e a natureza de nossa profissão policial militar, especialmente nos dias de hoje, em que nos vemos submersos em severa crise de toda sorte, na tentação inescrupulosa do crime, na violência exacerbada e nos riscos inerentes à profissão que tem se mostrado cada vez maiores. Cultivemos então, inspirados pelo juramento, o mesmo amor pela PMMG, o mesmo e irrestrito compromisso para com o dever policial militar, a mesma impetuosidade e coragem do nosso Alferes, cientes que o espírito da história nacional passa necessariamente pela lealdade das polícias militares, como fiadoras da ordem, da lei e da estabilidade, e esta lealdade, sustentada na hierarquia e disciplina, que é o maior atributo de nossa Corporação como instituição de Estado.

E é esta fidelidade que nos coloca como uma classe merecedora de prerrogativas especiais, que devem ser mantidas, pois temos a convicção de que as nossas garantias são, em via de mão dupla, proporcionais à entrega que fazemos ao estado e à sociedade.

 

Aos nobres comandantes, nos diversos níveis, dos subdestacamentos mais longínquos aos grandes comandos das metrópoles mineiras, registro aqui um clamor: exerçam em plenitude a liderança, cumprindo uma síntese moral muito rica, legada pelo Marechal João Batista Mascarenhas de Morais, aos que tem a função de comando e direção: -“Sede brandos e justos para com vossos comandados, subordi­nados e leais para com os superiores, severos convosco, abnegados no serviço, tudo na forma sublime do sacerdócio militar.” Talvez seja esta uma súmula descritiva das virtudes clássicas do comandante: sabedoria, justiça, humanidade, coragem e austeridade. Acrescento que ao comandante é preciso credibilidade, o que só é possível florescer numa relação pautada pela confiança. Estejam juntos aos seus comandados, sirvam de exemplo profissional, labutem incansavelmente em prol de nosso querido povo mineiro, reduzam os índices criminais, dêem atenção especial ao combate dos crimes violentos, produzam sensação de segurança. Sirvam e protejam a sociedade, em toda sua diversidade. É pelo nosso povo que trabalhamos e justificamos nossa existência.

Ao insigne povo mineiro, externamos o nosso compromisso e engajamento extremo para que todas as nossas ações e projetos tenham como eixo a melhoria da qualidade no atendimento ao cidadão, o combate ao crime e à violência, e a busca de alternativas para uma maior e mais efetiva presença dos policiais militares mineiros nas ruas. Reconhecemos que temos uma anatomia estrutural que precisa ser repensada, uma estrutura administrativa que absorve muitos profissionais, e por isso perseguiremos opções que tenham como foco empreender a maior presença física possível do policial militar nas ruas, nos eventos, nos espaços públicos, parques, estradas, rodovias e mesmo no campo para onde o crime também tem migrado. Novos conceitos operacionais serão concebidos a partir da potencialização do recurso humano por intermédio do uso intensivo da tecnologia, maximizando presença real, a vigilância, a inteligência policial e a repressão qualificada, sob um enfoque eminentemente operacional.

 

Aos poderes constituídos do estado, Legislativo e Judiciário, assim como o MP, a Polícia Militar registra toda a sua confiança, tanto pelo compartilhamento do mesmo propósito de dedicação à causa pública, quanto pela sustentabilidade mútua dos trabalhos em cada missão particular, formando um verdadeiro complexo intercambiável de legalidade e legitimidade institucionais com vistas ao desenvolvimento, à segurança, justiça e paz.

 

Aos órgãos que integram o sistema de segurança pública do estado, convido-vos ao sólido compromisso de fortalecimento da coesão institucional ante aos problemas comuns, elaborando políticas, estratégias e esforços em conjunto, num alinhamento harmônico de soluções em prol da sociedade. Nossos desafios são imensos e nossos propósitos, em sua maior parte, comuns.

 

Aos nossos parlamentares militares e às entidades representativas de classe, peço-lhes que continuem fiéis aos postulados de defesa dos interesses da classe militar estadual e de nossos valores históricos, trabalhando numa perspectiva facilitadora às atividades desenvolvidas pela nossa Corporação e ao mesmo tempo no labor político tão caro e legítimo à democracia, mas sempre focados numa representação exclusivamente institucional.

 

Aos coronéis que se transferiram recentemente para a reserva, e aos que já se encontram nessa condição há mais tempo, deixo meu respeitoso reconhecimento e a minha disponibilidade para aconselhamentos e sugestões para o aprimoramento administrativo e operacional da Corporação. O pacto de gerações manter-se-á firme. Faremos aqui a nossa passagem, respeitando-o incondicionalmente.

 

Ao nosso Governador Fernando Pimentel e competente equipe de governo, registro a nossa gratidão pela deferência dispensada à PMMG nestes dois anos que se passaram. Pude testemunhar, in loco, enquanto chefe do Gabinete Militar, que mesmo diante das dificuldades financeiras enfrentadas pelo estado, todo esforço possível foi feito para que não nos faltasse os recursos humanos e logísticos necessários ao desempenho de nossas funções e atividades. A Vossa receptividade às nossas demandas, Sr Governador, é algo que a história vai contar mais adiante. E posso afiançar isso nas palavras da Santa Tereza de Calcutá: “o bem que se faz hoje, pode ser esquecido amanhã. Faça-o assim mesmo. Veja que, ao final das contas, é tudo entre você e Deus. Nunca foi entre você e os outros”. Procuraremos então honrar a deferência e confiança com trabalho incansável, dedicação irrestrita e com a lealdade histórica de que falamos.

 

Aos todos meus amigos aqui presentes, militares e civis, muito obrigado por compartilharem comigo deste momento especial. Aos companheiros da nobre turma do Colégio Militar, do saudoso ano de 1981, é uma felicidade imensa revê-los nesta solenidade após tanto tempo, o que me evoca lembrança e saudade daqueles momentos ternos de tantos sonhos, vitalidade e alegria. Hoje é o coroamento de uma carreira, de uma vida de vocação militar, que começou lá, no CMBH.

 

Aos meus amigos de faculdade, saúda-lhes desta tribuna o “capitão”, o apelido com o qual, ainda hoje, sou reconhecido pelos colegas da Universidade FUMEC, bacharéis da turma de 2006. Toca-me também a alegria por recebê-los aqui, pois vocês são amigos queridos e verdadeiros, com os quais a vida me presenteou.

 

Senhor Coronel Bianchini, líder destemido, corajoso e amigo, saúdo-vos e agradeço pela convivência inspiradora, a amizade, e os ensinamentos. Há em vossa personalidade outra grande virtude de um comandante: o espírito de decisão. Agora, após a missão cumprida e de volta ao convívio familiar, nosso reconhecimento, de toda a Polícia Militar, pelo valoroso trabalho e legado, o que inclui a liderança nacional da classe policial militar no profícuo trabalho à frente do Conselho Nacional dos Comandantes Gerais. Não hesitarei em aconselhar-me convosco. À sua esposa, Simone, e sua filha, Letícia, a corporação entrega-lhes de volta o nosso comandante, subtraído que foi por dois anos em face da atribulada agenda de um comandante-geral.

 

Ao prezado Coronel André Leão, Subcomandante Geral da Polícia Militar, competente e diligente profissional, meu amigo e colega de turma, agradeço-lhe a lealdade, a amizade e o apreço. Aos meus eternos amigos aspirantes de 1990 – a turma que arrebenta - agradeço-lhes imensamente pela presença, e vamos juntos, ascender irmanados ao Comando da Corporação. Aos coronéis do Alto Comando, ao rememorar que operarei os destinos da bissecular Milícia de Tiradentes, ombreado com tão nobres e virtuosos militares de índole operosa e dedicação extremada à PMMG, sinto que o caminho tende a ser menos difícil, e mais realizador.

 

Descerro aqui um decurso para postar meu tributo aos militares que tombaram no cumprimento do dever, que honraram de modo extremo o juramento de defender a sociedade, mesmo com o sacrifício da própria vida. Hoje, estes bravos não mais atendem ao chamado de socorro da sociedade; não mais retornam ao conforto do lar após uma jornada cansativa de trabalho. Eles representam, após as honras fúnebres, dor, ausência, e um sopro de lembrança no ambiente de trabalho e no coração de seus familiares. O infrator, causador de tamanha infâmia, não raro de modo covarde, o que acontece diariamente com as milhares de vítimas em todo país, contando com a leniência da lei, está rapidamente de volta ao crime, numa espiral ascendente de perversidade e reincidente violência. Precisamos rever de modo urgente a parcimônia da lei com o crime e os criminosos, hediondos e reincidentes. O criminoso não pode vencer o império da lei, pois este é nosso pacto social - não podemos caminhar rumo à auto-tutela e barbárie. Esse é um apelo, ao qual submeto à reflexão de todos presentes.

Por fim, de forma especial, agradeço aos meus familiares (Pai, presente espiritualmente, mãe, irmãos, cunhados, sogra, sogro, tios, primos........) por estarem aqui, vivenciando comigo mais esse momento desafiador, que é também de alegria, renovação e esperança. Vocês sempre foram o meu porto seguro, as colunatas de sustentação da minha força pessoal. A nossa tradição familiar sempre foi de união e afeto intensos, e por isso, apenas sentir a presença de vocês já me proporciona mais segurança, fé interior e coragem para enfrentar os desafios. Fátima, minha esposa, amiga, companheira e confidente, Meu amor, de onde frutificaram duas vidas, que são as nossas vidas: Matheus e Nathália. Nós temos mais uma missão a cumprir. E vamos vencê-la juntos, com a graça e bondade de Deus. Antevejo a ausência provocada pela opulência do trabalho. Creio, porém, que será recompensada na proporção inversa, pela intensidade de cada minuto que estivermos juntos, quando chegar em casa e vê-los protegidos. Se eu chegar chateado, devolvam-me um sorriso, que será o bastante para esquecer as dificuldades. Obrigado por vocês serem a minha vida.

A Jornada então começa agora!! Estou pronto, e rompendo em marcha acelerada!!

Muito obrigado pela atenção e pela presença de todos.


Copyright Rede Brasil Policial. Todos os direitos reservados.

O Brasil Policial, se trata de um Projeto de Comunicação produzido pela “Rede SBCW e SBC Brasília, Projeto panteado junto ao INPI e Cartório de Registros e Documentos para jornalistas e empresários. É expressamente proibida a sua reprodução do Conteúdo e Plagiar o Projeto desta Rede de Notícias Online no Território Nacional, sujeito às penalidades previstas pelo CPB por roubo violação de Propriedade Intelectual.

O site Brasil Policial Noticias e o Jornal impresso "Brasil Integração" - Policial, são dois órgãos de Comunicação em regime cooperativistas, são instituições privadas independentes, de acordo com o artigo V Inciso XVIII da Carta Magna e de com o Artigo V da Lei Federal 5.764 de 16 Dezembro de 1971.

Todos os conteúdos veiculados e veinculando nesta franqueada "Brasil - Policial", são de inteira e legítima responsabilidades dos seus autores, proprietários identificado (s) no referido Expediente da mesma.

versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo